Terças com Caio Fernado Abreu

Oie meninas ;)
Como o titulo diz todas as terças feiras irei trazer para voces trechos dos textos de Caio Fernabdo Abreu . Mas antes do texto vamos saber que ele é ?

Caio Fernando Loureiro de Abreu (Santiago do Boqueirão RS 1948 - Porto Alegre RS 1996). Contista, romancista, dramaturgo, jornalista.Cursou Letras e Arte Dramática na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mas abandona ambos os cursos para dedicar-ser ao jornalismo. Perseguido pela ditadura militar, refugia-se na chácara da escritora Hilda Hilst (1930 - 2004), em Campinas, São Paulo. A partir daí passa a levar uma vida errante no Brasil e no exterior. Fascinado pelo contracultura, viaja pela Europa de mochila nas costas, vive em comunidade, lava pratos em Estocolmo, e considera a possibilidade de viver de artesanato em uma praça de Ipanema. Na década de 1980, escreve para algumas revistas e torna-se editor do semanário Leia Livros. Em 1990, vai a Londres, lançar a tradução inglesa de Os Dragões Não Conhecem o Paraíso. Vai para a França, em 1994, a convite da Maison des Écrivains Étrangers et des Traducteurs de Saint Nazaire, onde escreve a novela Bien Loin de Marienbad. Em setembro do mesmo ano escreve em sua coluna semanal, no jornal O Estado de S. Paulo, uma série de três cartas denominadas Cartas para Além do Muro, onde declara ser portador do vírus HIV.






"Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.Tá me entendendo? Eu sei que sim. Eu entro nesse barco, é só me pedir. Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou. Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também. Porque sozinha, não vou. Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma. Mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia. Mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade! Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica. Aprendo a pescar, se precisar. Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir. Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia. Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto. Eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças! Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena. Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena.
Remar.
Re-amar.
Amar. "
Caio Fernando Abreu

6 comentários:

  1. mto bom seu blog visita o meu e se quiser comenta tambem
    maniasdasadolescentes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá flor adorei o seu blog seguindo já RETRIBUI tbm beijos

    http://instyllee.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Os textos dele parece ser bem legais!

    Vota em mim para ser a proxima postadora do RG? Eu sou a Bia, vota? http://blog-realgirls.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. oi flor, já seguindo o blog, e queria saber também se pode aceitar parceria? passa lá http://meublogblogdadanii.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu amo os textos as frases tudo dele rsrs é o meu escritor favorito rsrs
    Adorei esse post e o blog também rs seguindo aqui!



    da uma olhadinha no meu?
    http://conversando-com-a-lua.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Pesquise